Nesta sexta-feira (6), a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Piauí (Fecomércio-PI) realizaram a outorga da Ordem do Mérito Comercial Marquês de Paranaguá ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Kássio Nunes Marques, e ao secretário de Clima e Relações Internacionais do Ministério do Meio Ambiente, o diplomata Marcus Henrique Morais Paranaguá.

A solenidade foi realizada na sede da CNC, em Brasília (DF), sob a condução do 1º vice-presidente da CNC e presidente da Fecomércio-PI, Valdeci Cavalcante, criador da honraria. Ele também presenteou os homenageados com exemplares do livro de sua autoria Marquês de Paranaguá, que resgata a história deste importante personagem da política piauiense. Também participou da solenidade o vice-presidente financeiro da CNC e presidente da Fecomércio-AC, Leandro Domingos, e membros da família Paranaguá.

História

Instituída pela Fecomércio-PI, a Ordem do Mérito Comercial Marquês de Paranaguá é concedida a personalidades que se destacaram pelos relevantes serviços prestados ao Estado do Piauí.

A comenda leva o nome de Marquês de Paranaguá devido à sua importância e relevância para a economia brasileira. Nascido na Freguesia de Nossa Senhora do Livramento do Paranaguá, no Piauí, João Lustosa da Cunha Paranaguá formou-se em Direito pela Universidade de Olinda (PE). Em sua vida pública, ele foi presidente das províncias da Bahia, Maranhão e Pernambuco, elegeu-se deputado provincial, senador e membro do Conselho de Estado. No segundo reinado, ele foi ministro dos Negócios Estrangeiros, da Fazenda e da Guerra, sendo em seguida nomeado presidente do Conselho de Ministros, cargo mais importante do Império.

Entre os diversos feitos históricos de João Lustosa está sua atuação no projeto de troca de uma área litorânea do Estado do Ceará por outra no interior Piauí, possibilitando o acesso do estado ao Oceano Atlântico e a abertura de novos horizontes ao comércio da região. Ele aposentou-se como desembargador em 1878 e a ele foi conferido o título de Marquês de Paranaguá, em 1888. Faleceu em 1912, no Rio de Janeiro.

Homenagens

Valdeci Cavalcante destacou que a Ordem do Mérito Comercial conferida ao ministro Kássio Nunes Marques traz em sua essência a representatividade e a reputação histórica do Marquês de Paranaguá. E homenagear Marcus Henrique com esta comenda é reconhecer a história de toda a família Paranaguá.

“Nunes Marques é filho do Piauí, empresário, líder e um apaixonado pela Constituição, um homem que honra a advocacia e a magistratura e, acima de tudo, ama o Estado do Piauí”, destacou o 1º vice-presidente da CNC. “Esta é uma justa homenagem à família Paranaguá. Marcus Henrique é um homem culto que honra o nosso Estado, as nossas tradições e mantém vivo o nome desta família na história do País”.

O ministro Kássio Nunes Marques agradeceu a homenagem da CNC e da Fecomércio-PI e frisou a importância desta comenda que leva o nome de Marquês de Paranaguá, uma vez que ele foi um grande empreendedor de sua época. “A atuação da CNC é indispensável para unir o comércio do Brasil e inseri-lo no mundo globalizado. O ambiente comercial exige planejamento e estratégias afinadas ao seu tempo. E assim pensava João Lustosa da Cunha Paranaguá, cujo talento deixou marcas indeléveis ao Estado do Piauí e ao Brasil”, afirmou.

Marcus Henrique descreveu o tio trisavô como um homem inteligente, de muita habilidade para a negociação e conciliação. Ele agradeceu a Valdeci Cavalcante por ter ajudado a resgatar a história do Marquês de Paranaguá. “Por algum tempo, a história dele ficou esquecida. Contribuições como esta do presidente Valdeci ajudam a manter a história viva. Receber esta comenda é mais que uma honra, é um resgate da história da nossa família”, destacou.