O presidente da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), José Roberto Tadros, recebeu, nesta terça-feira (3), a visita de representantes do Ministério da Economia e do Sebrae, para discutir parcerias com a CNC em torno do ‘Brasil pra Elas’.

Este programa do Governo federal estabelece uma política pública de fortalecimento do empreendedorismo feminino, como instrumento de desenvolvimento econômico e social do País.

Entre os seus objetivos, estão a promoção de medidas que contribuam para a emancipação cidadã de mulheres em situação de vulnerabilidade, a ampliação da oferta de crédito para o empreendedorismo feminino e a promoção do desenvolvimento e da sustentabilidade financeira dos negócios.

O ‘Brasil pra Elas’ atualmente conta com apoio do Sebrae, da Caixa e do Banco do Brasil, que oferecem cursos e crédito especial para ajudá-las a dar os primeiros passos no desafio de empreender.

A proposta do Ministério da Economia, de acordo com a secretária especial de Produtividade e Competitividade, Daniella Marques, é firmar parceria com a CNC, via Senac, para ampliar a oferta de cursos gratuitos de formação, capacitação e qualificação profissional, além de ajudar a levar o projeto para milhares de municípios brasileiros, por meio da rede Senac.

“A CNC tem sido a nossa grande parceira em diversas ações. Por isso, eu venho pedir apoio e parceria neste programa, que vai colocar as mulheres em posição de protagonismo na retomada econômica do nosso país”, disse Daniela, que participou da reunião com José Roberto Tadros acompanhada da subsecretária de Desenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas, Caroline Busatto.

Do Sebrae, estiveram presentes o diretor técnico nacional, Bruno Quick, e os técnicos Caetano Andrade, Ênio Pinto, Renata Malheiros e Maria de Lourdes.

O presidente José Roberto Tadros parabenizou Daniella e Caroline pela construção dessa política pública em favor das mulheres e colocou a estrutura do Senac à disposição do programa. “Conte conosco para fazer parte deste ciclo. Iniciativas como esta estimulam a economia e o comércio”, ressaltou.