Mar é sinônimo de oportunidade e desafio, e esse sentido foi percebido há milhares de anos. Mas com a atual economia globalizada, em que dinheiro e cultura trafegam em enormes volumes por meio de cabos de fibra óptica, cada vez mais vamos também voltar a valorizar as trocas físicas, concretas, que o oceano nos propicia.

O Sistema Fecomércio RJ está presente na linha de frente dessa discussão que busca destravar potencialidades tão gigantescas quanto o oceano que separa o Rio de Janeiro da Europa. Nesse sentido, fomos palestrantes do Global Innovation Summit 2022, evento de grande porte realizado nesta semana em Estoril, Portugal.

O comércio que, em determinado momento da nossa história, pode ter sido explorado de maneira predatória agora se torna um campo de oportunidades modernas, tecnológicas e, sobretudo, ambientalmente sustentáveis.

A OCDE projeta que a economia oceânica – ou economia azul – irá crescer nada menos que US$ 3 trilhões nos próximos oito anos. O Brasil segue na busca por ingressar nessa comunidade de países, e as regras de entrada incluem compromissos ambientais importantes. Nada mais natural, portanto, do que embarcarmos nesse mar de oportunidades de forma alinhada com aquilo que o mundo espera em termos de sustentabilidade.

Explorar as potencialidades que nosso litoral permite envolverá, portanto, um olhar cuidadoso para o aspecto ambiental. O Sistema Fecomércio RJ tem esse olhar atento não é de hoje. E nossa mensagem em Portugal é justamente a de que é possível avançar muito na economia azul a partir do Brasil, com rapidez e eficiência.

No Brasil, a economia azul representa oportunidade de aproveitarmos de maneira propositiva nossa imensa extensão oceânica. Os pontos de contato são muitos, com perfis bastante variados, com elementos que vão desde a pesca e produção de petróleo com rigor ambiental até o turismo ecológico e visitas a polos urbanos dinâmicos – como é o caso, em especial, do nosso Rio de Janeiro.

O Rio é uma potência relativamente adormecida no campo da economia do mar, e poderá se erguer de maneira a servir de exemplo positivo para o resto do país. Assim como os estados do país são diversos, os municípios litorâneos em território fluminense também têm suas potencialidades particulares, com identidades próprias. Essa identidade é algo que países como Espanha, Portugal e Itália já exploram muito bem, aproveitando de maneira dinâmica as diferentes facetas que seu contato direto com o Mediterrâneo propicia.

O Sistema Fecomércio RJ está desenvolvendo um programa que integre a economia do mar com todos esses segmentos. Inclusive, por sugestão nossa, a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico criou uma Superintendência da Economia do Mar, a única do país. Em paralelo, estamos criando oportunidades de negócio, capacitação e formação, emprego e renda, tendo o mar como elemento agregador dessas atividades.

Nosso DNA, sem dúvidas, nos dá vocações marítimas. Os primeiros passos de nossa história remontam ao oceano. E também será por ele que cada vez mais uma parte relevante da nossa economia irá prosperar, de madeira moderna e sobretudo sustentável.