O Sistema Fecomércio/Sesc/Senac em Goiás (Fecomércio-GO), representado por seu presidente Marcelo Baiocchi, promoveu na manhã de hoje (30/6) a reunião mensal com os diretores e conselheiros da entidade. Aproveitando a presença da diretoria, foi apresentado um novo projeto em parceria com a Universidade Federal de Goiás (UFG) chamado Senac 5.0, que amplia a atuação do Senac Infinite, o hub de tecnologia do Sistema, que promove cursos, conteúdos, eventos e atividades de inovação, com o objetivo de movimentar o ecossistema de startups em Goiás.

Participaram do lançamento a reitora da UFG, Angelita Pereira, o professor do Instituto de Informática da UFG, Celso Camilo,  o diretor-executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa (FUNAPE), Orlando Afonso Valle do Amaral, e demais professores e representantes da instituição de ensino. Na ocasião, foi assinado o contrato de parceria entre as entidades.

Segundo Marcelo Baiocchi, essa parceria com a instituição de ensino superior e ampliação do Senac Infinite tem o objetivo de “tornar Goiás o maior centro privado de desenvolvimento em tecnologia do Brasil”. Com essa expansão, o Senac passa a oferecer não só capacitação de mão de obra no mercado, mas se torna uma entidade que traz soluções tecnológicas para os empresários.

Para Angelita Pereira, essa assinatura é mais que um convênio, é uma aliança entre a UFG e os representantes do desenvolvimento e da prestação de serviço em Goiás, o que ajudará a desenvolver o Estado, mas que não trará melhorias apenas do ponto de vista econômico, mas também social. “Vamos ter uma cidade mais alegre, mais segura, com qualidade de vida, por isso, eu vejo que é uma aliança estratégica em todas as dimensões e em nome da universidade eu agradeço a oportunidade de vivenciar este momento histórico”, pontua a reitora.

O professor da UFG, Celso Camilo, que participou da idealização da ação em conjunto com o Sistema, fez a apresentação do projeto e explicou os passos da ação. “Para aumentar a sua competitividade, o país precisa qualificar uma massa maior de trabalhadores em tecnologias. Quem tem mais inovação, tem mais competitividade”.